fbpx

Os serviços de disponibilização de conteúdos por streaming estão revolucionando o mercado digital, de modo a democratizar o acesso a filmes, séries, músicas, documentários, além de outros conteúdos multimídias, com preços acessíveis para o consumidor.

 

Na outra ponta, produtores de conteúdo encontraram uma forma mais eficiente de distribuição das obras, alcançando grandes públicos e diminuindo a pirataria. “O setor de entretenimento, que sempre conviveu com um ambiente de mudanças incrementais, agora está diante de uma ruptura. Pelos cálculos da consultoria Boston Consulting Group, 50% do tempo dedicado ao entretenimento nos Estados Unidos em 2020 será sob demanda. Os vídeos já respondem por mais de 70% do tráfego global de dados na internet. Nessa expansão em curso em várias partes do mundo, as empresas de streaming contam com pelo menos uma grande vantagem. A tecnologia permite que elas adotem uma eficaz política de preços. Na era digital, o custo marginal de produzir e distribuir uma cópia de um bem de informação, como um filme ou uma música, é perto de zero. Não é preciso fabricar um DVD ou CD nem pensar na logística para que as caixas com os produtos cheguem às lojas. É tudo diretamente pela internet. Isso faz com que empresas como a Netflix e o Spotify — líder no segmento de música por streaming, hoje a maior fonte de receita do setor fonográfico — consigam colocar à disposição dos clientes grandes acervos. Os assinantes do Spotify têm 30 milhões de músicas à disposição.” [1]

 

 

O que são os serviços de streaming?

 

“Streaming é uma forma de transmissão instantânea de dados de áudio e vídeo através da internet ou de uma rede local. A tecnologia permite assistir a filmes ou escutar música e acompanhar eventos ao vivo sem a necessidade de fazer download, o que torna mais rápido o acesso ao conteúdo.” [2]

 

Estes serviços fazem parte da vida de boa parte da população, por meio de empresas como Netflix, YouTube, Spotfy, Deezer, Amazon Prime, etc. Elas disponibilizam conteúdos diversos, às vezes exclusivos ou originais.

 

 

 

Netflix

Serviços de streaming

A Netflix foi pioneira em ofertar streaming de conteúdos por assinatura.

 

“A história do streaming, a transmissão de vídeos e músicas pela internet, começou em fevereiro de 2011, quando dois produtores da empresa Media Rights Capital tentavam vender a ideia de uma nova série a vários canais de televisão americanos. Inspirada numa minissérie feita pela BBC no Reino Unido, a proposta de fazer House of Cards estava recebendo uma recepção morna por uma boa razão. Desde The West Wing: Nos Bastidores do Poder, de 2006, nenhum drama político tinha tido sucesso nos Estados Unidos. Mas a falta de entusiasmo dos executivos dos canais de TV não desmotivou os dois produtores. Eles continuaram acreditando que a série seria feita mais cedo ou mais tarde e decidiram dar atenção ao passo seguinte do plano de negócios. Começaram as visitas para vender os direitos de exibição para o período posterior ao da veiculação na TV.

 

Foi então que bateram na porta da Netflix. Lá a história foi completamente outra. A oferta da Netflix era ainda melhor do que bancar os cerca de 6 milhões de dólares para fazer um piloto, o que era praxe no mercado dominado pelos canais de TV. A Netflix ofereceu investir, de cara, 100 milhões de dólares por duas temporadas, num total de 26 capítulos. Nada de passar nos canais de TV. Tudo pela internet. Nessa época, o site do YouTube já era popular, a própria Netflix tinha uma promissora plataforma digital, mas o streaming não colocava medo em ninguém. Foi necessário o sucesso estrondoso de House of Cards para causar o maior tremor na indústria do entretenimento em cerca de 100 anos. Estava claro que a briga esquentaria na produção e na distribuição de conteúdo.” [1]

 

Foi assim que a Netflix, pioneira em oferecer conteúdos por streaming na internet por meio de um plano de assinatura mensal se consolidou como uma alternativa a TV a Cabo, como também passou a ser concorrente de grandes protagonistas do mercado de entretenimento, como a HBO e a Disney, o que fez com que ambas desenvolvessem também os seus serviços de streaming, HBO Max e Disney +, para concorrer na internet.

 

 

Spotify

Serviços de streaming

Com o Spotify, músicas de todos os artistas ficaram acessíveis por streaming na internet.

 

A indústria musical estava em pedaços desde de 1.999 quando surgiu o Napster e outras plataformas que popularizaram a pirataria de músicas. Com a chegada da internet de alta velocidade, surge também o Spotify, que devido a crise no mercado musical, não demora em ter adesão das grandes gravadoras.

 

Hoje “os números do Spotify são bem impressionantes. 75 milhões de assinantes, 170 milhões de usuários ativos incluindo pagos e gratuitos, mais de 35 milhões de músicas, 2 bilhões de playlists criadas e já está disponível em 65 mercados. E ele tem versões pra computadores, dispositivos móveis e até consoles.”[3]

 

 

[1] Fonte: Revista Exame

[2] Fonte: Hotmedia

[3] Fonte: Tecmundo

Imagens: FreePik

 

Outros artigos:

 

A realidade virtual no mercado imobiliário.

 

O que são smart cities (cidades inteligentes)?

 

A invasão dos espaços de coworking.