fbpx

Em Brasília existem duas estações: a que chove e a que não chove. É verdade que o período de seca traz uma série de mudanças climáticas que afetam o cotidiano das pessoas, o que não significa necessariamente algo negativo. Muito pelo contrário! Para cada desvantagem que a seca traz, há também uma boa novidade a ser explorada.

 

Se por um lado há a estiagem, pelo outro o sol brilha de domingo a domingo reinando no céu sem nuvens durante alguns meses. Se a grama perde o verde, os ipês ganham cores. Se a temperatura despenca trazendo noites frias, temos as festas juninas e os festivais de inverno regados à muito vinho para aquecer o coração.

 

Em resumo, o período de seca é uma época cheia de particularidades que podem e devem ser bem aproveitadas. Que tal conhecer algumas delas?

 

 

Não se preocupar com a chuva.

Brasília na seca

Os dias sem chuva são um convite a aproveitar a vida ao ar-livre.

 

Brasília é uma cidade que nos convida a ir pra rua, a realizar atividades ao ar-livre como pedalar nas vias, remar sob o espelho de água do lago e a caminhar pelos parques arborizados, entre tantas outras coisas. Uma capital que é um museu à céu aberto, porque não falta o que ver ao sair sem rumo. E quando colocamos o pé pra fora de casa, nada melhor que sair por aí com a certeza de que não vai chover.

 

Sem chuva, você não se preocupa se vai valer a pena ou não ir para o clube pegar uma piscina ou para praticar um esporte. É claro que vai! Assim como será tranquilo ir ao Jardim Botânico fazer um delicioso piquenique, ou levar os filhos para brincar no Foguete do Parque da Cidade e nas piscinas da Água Mineral.

 

Você deixa o guarda-chuva em casa e vai tranquilo para aproveitar um show de uma banda de rock, de música eletrônica, axé ou de uma dupla sertaneja. E ainda tem o céu limpo para observar a lua e as estrelas, levando uma luneta para se juntar aos apaixonados por astronomia que se reúnem na Praça dos Três Poderes.

 

 

A explosão de cores dos ipês.

Brasília na seca

Os ipês marcam o período com as suas copas coloridas.

 

“Os ipês estão para Brasília como as estrelas estão para a noite e as cerejeiras, para o Japão. Só que nós, os brasilienses, temos uma vantagem sobre os japoneses: aqui, o esplendor se prolonga em cores subseqüentes: rosa, roxo, amarelo e branco.” [1] Embora não sejam uma árvore exclusiva do cerrado, foi nesse ermo sob as mãos generosas de nossos primeiros jardineiros que o ipê abundou ocupando boa parte de nossa escala bucólica.

 

“Segundo a Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), há pelo menos 200 mil ipês espalhados pelo Distrito Federal. A maioria deles está no Plano Piloto, onde é possível encontrar cerca de 25 mil árvores da espécie.” [2] E quando chega o período da seca no inverno, eles  trocam as folhas verdes pelos buquês floridos de matizes diversas que pintam as quadras e ruas da cidade.

 

O primeiro ipê a florir é o roxo durante o mês de junho. Existem ruas inteiras em Brasília que se transformam quando as flores roxas inauguram a temporada dos ipês, sendo impossível de se ignorar tamanha beleza natural. O brasiliense logo se encanta.

 

Quase que em seguida vemos as copas dos ipês amarelos florescerem já no finalzinho de junho, dividindo o colorido da cidade com o ipê roxo até o início de julho. Depois dão lugar para o ipê amarelo, o mais chamativo de todos, cuja vivacidade contrasta harmonicamente com a grama escusem cor e escura da época.

 

Por último floresce o mais raro e aguardado: o ipê branco. Suas flores possuem uma beleza efêmera e singular, visível apenas por cinco dias no final do período seco.

 

 

Eventos que acontecem no período.

 

Outra vantagem do período de seca são os eventos típicos do período. Os restaurantes capricham nos vinhos a serem harmonizados com pratos às vezes exclusivos para a estação, geralmente presentes nos festivais de inverno realizados por centros de compra e redes.

 

Alguns desses festivais instalam até pista de patinação no gelo para adultos e crianças. E se isso não é motivo suficiente para sair de casa, é nesse período que a cidade é tomada pela temporada de festas juninas, com quermesses para todos os gostos e em cada canto da cidade.

 

Também nessa época é possível aproveitar melhor os filmes no Cine Drive-In no autódromo, o último cinema desse tipo no Brasil, assistindo aos lançamentos dentro do próprio carro.

 

Por fim, sem a chuva, a programação cultural toma as ruas com feiras gastronômicas, passeios, eventos, etc, sendo um convite a parte para você caprichar no figurino de inverno com botas, casacos e cachecóis e aproveitar as vantagens de Brasília nesta época do ano.

 

 

Veja outros artigos relacionados ao tema:

 

Por que amamos Brasília?

 

Brasília vai muito além de política.

 

Cinco dicas para receber uma visita com vinho.

 

A escala bucólica e os parques de Brasília

 

[1] Fonte: Metrópoles

[2] Fonte: Correio Brasilienze.

Imagens do artigo: shutterstock e freepik