fbpx

O conforto acústico faz parte do cotidiano dos residenciais desde sempre, influenciando diretamente na qualidade de vida dos moradores e no relacionamento entre vizinhos. Isso porque o som se propaga facilmente pelo ar e através de materiais diversos, levando de um ponto ao outros ruídos indesejados. Daí a necessidade de se pensar na acústica de um projeto residencial e de se planejar soluções que minimizem transtornos para os moradores.

 

Ter conforto acústico é viver em um ambiente cujos ruídos sonoros não gerem algum incômodo no humor das pessoas, mantendo sons indesejados longe do ouvido dos moradores ou em níveis baixos a ponto de serem ignorados.

 

 

Poluição sonora.

 

A inimiga número um do conforto acústico é a poluição sonora! Sua origem pode ser uma avenida movimentada, o latido do cachorro do vizinho, móveis sendo arrastados no imóvel acima, etc. Isto é, ela pode vir de qualquer lugar e se propaga através de paredes, lajes, do ar e da água, sendo difícil de ser combatida.

 

Todavia, identificar o caminho por onde ela chega é o primeiro passo para diminuí-la. Um especialista em acústica pode fazer um diagnóstico do problema e sugerir materiais como drywall, piso flutuante e janelas antirruído como recursos adequados de acordo com a situação, restaurando assim o conforto acústico.

 

 

Desempenho acústico dos materiais.

Conforto acústico em residenciais

O barulho pode atrapalhar a rotina de quem trabalha em home office. Imagem: FreePik

 

O desempenho acústico dos materiais pode atenuar ou acentuar o problema, isolando ou amplificando a conversa dos vizinhos no cômodo ao lado, os passos de alguém no apartamento de cima e até o barulho oriundo das ruas.

 

Por isso, a escolha adequada dos materiais combinado a um projeto inteligente pode promover um maior conforto em relação aos barulhos externos, bem como minimizar ruídos gerados dentro da própria casa. Numa época em que tanta gente migra para trabalhar em home office, harmonizar o volume da batedeira na cozinha com a TV alta dos filhos, a música dos adolescentes e a correria das crianças é um desafio imprescindível para quem decidiu ter o seu escritório em casa.

 

A seguir, conheça alguns materiais cujas propriedades podem agregar maior conforto por meio do desempenho acústico.

 

 

Drywall.

 

As paredes drywall são compostas de chapas de gesso acartonado e estrutura de aço galvanizado, tendo rápida instalação, versatilidade e um desempenho acústico bem mais que satisfatório quando o sistema conta com recheio de lã mineral de vidro ou de rocha, alcançando uma absorção entre 42 e 44 dB.

 

 

Mantas.

 

A manta é o material mais adequado para tratamento acústico de ruídos para pisos por evitarem a passagem de ruídos por impacto. Pode ser aplicada em paredes, tetos e coberturas, sendo feitas com materiais como lã de vidro, lã de rocha, lã de PET e até borracha de pneu reciclado.

 

 

Painéis.

Conforto acústico em residenciais

Painel de madeira empregado na decoração. Imagem: followthecolours

 

Além de trazerem um toque de requinte à decoração e agregarem também no conforto térmico, os painéis são absorvedores acústicos que amortecem as ondas sonoras, diminuindo a reflexão destas para o ambiente. Sendo indicados para o tratamento acústico de ambientes com home theaters, salões de festa e espaços destinados a reunião de muitas pessoas simultaneamente.

 

 

Esquadrias antirruído e vidros acústicos.

 

Bastante eficientes para solucionar a poluição sonora que vem da rua, estas soluções demandam, em contrapartida, o uso de aparelhos de ar-condicionado no ambiente. Afinal, para funcionarem como barreiras para ruídos, as janelas têm que estar fechadas, impedindo a passagem do ar também.

 

 

O desempenho acústico na construção civil.

 

A NBR 15.575, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), estabeleceu índices mínimos de isolamento para pisos, paredes, coberturas e fachadas de construções residenciais. Com isso as construtoras têm que trabalhar em seus projetos a atenuação sonora, trazendo melhores soluções acústicas ao processo construtivo.

 

Esta legislação entrou em vigor em 2013, e ao regular o desempenho acústico dos empreendimentos, define que o morador ao ouvir as vozes dos vizinhos não deve ser capaz de entender o que o morador ao lado fala. Também não podem escutar quando outro morador acionar a descarga do banheiro e nem ouvir os ruídos de sapatos do andar superior.

 

 

Um pouco de consciência.

 

Além de nos preocuparmos com o nosso conforto acústico, é importante observarmos como proporcionar um maior bem-estar sonoro para as demais pessoas e, inclusive, animais. Em outras palavras, podemos sempre manter o bom senso na hora de dar aquela festinha, de por uma música para animar a casa ou ao reunir os amigos para uma noitada de vinhos ou cervejas, de jogos eletrônicos ou de tabuleiro. Seja qual for a sua tribo, existe sempre alguma coisa que podemos nos atentar para evitar transtorno para os vizinhos.

 

Até mesmo evitando fogos de artifício barulhentos, que acabam com a noite de alguém que sofre de insônia e com a paz do seu pet. Ou sair buzinando na rua por qualquer coisa. Basta um pouco de empatia para que colaboremos positivamente com o conforto acústico dos outros.