fbpx

A história da humanidade é marcada por muitos momentos de mudança, adaptações e evolução na forma de pensar e agir, logo na construção civil e áreas afins não seria diferente. A concepção e construção de prédios já foi pensada com os princípios da sua época e hoje a consciência dos seus impactos no meio ambiente e na qualidade de vida tem maior peso, dando espaço aos chamados edifícios verdes (green building).

 

 

As especificidades de um edifício verde.

 

O conceito green building prioriza uma gestão inteligente de recursos tanto em sua obra como no cotidiano do prédio. Por isso recorre a diferenciais técnicos que vão desde a utilização de fontes energéticas renováveis até a reciclagem de detritos e a otimização das matérias-primas, visando sempre o bem-estar da população.

 

Um edifício para ser completamente verde deve nascer assim desde a escolha de sua localização, priorizando alternativas de mobilidade urbana como ciclovias em seus arredores e acesso fácil ao transporte coletivo. A integração entre o prédio, a cidade e o meio ambiente é a premissa de todo o projeto.

 

No entanto alguns prédios passam por readequação para serem mais sustentáveis implementando operação e manutenção predial, renovação das instalações elétricas e do ar condicionado, uso de energias renováveis e outras práticas adotadas que levam o meio ambiente em consideração e em muitos casos geram economia.

 

Assim, ao escolher a localização é levado em conta fatores como a posição do sol e carentes de ar, escoamento da água das chuvas, a fauna, a flora, o relevo da região e a infraestrutura local, tirando-se o máximo de proveito do terreno no que tange a sustentabilidade.

 

 

O impacto de um edifício verde.

 

A busca por uma gestão inteligente dos recursos combinada com uma integração sustentável ao meio ambiente leva a uma mínima impermeabilização do solo e a um dimensionamento adequado das aberturas para mais iluminação e ventilação naturais, otimizando o consumo de água e energia.

 

O sistema construtivo empregado é racionalizado para evitar a geração de resíduos e desperdício de materiais, economizando tempo, recursos e mão de obra. E a economia não se limita exclusivamente ao período da obra, pois, segundo um estudo da U.S. General Services Administration, quando comparado com edifícios convencionais, os green buildings apresentam queda de 13% dos custos de manutenção e 26% no consumo de energia.

 

Outro grande impacto é o bem-estar proporcionado à todos com ambientes melhor iluminados e ventilados, além de uma maior integração com a vizinhança. Conforto que faz com que os edifícios verdes tenham um índice de satisfação do usuário 27% maior.

 

 

Plantando conceitos sustentáveis.

Green Building

Fachada do edifício da Embrapa.

 

 

A Espaço Y executou um projeto em uma área de 9.445,73 m² em Brasília priorizando os conceitos de sustentabilidade que resultam em diferenciação e eficiência. O edifício conta com uma arquitetura moderna e funcional, integrando sustentabilidade técnico científico e design para receber a unidade da Embrapa Agroenergia estruturada em 4 Laboratórios Temáticos.

 

A arquitetura do edifício propicia a iluminação natural por meio do pé direito alto no foyer (salão principal), com painéis de proteção térmica. Além disso, a pavimentação das vias do prédio é em concreto intertravado.

 

Outras características de sustentabilidade do projeto são: o estudo das correntes de ar da região, reaproveitamento das águas da chuva, reuso de águas servidas, tratamento das águas provenientes dos laboratórios, irrigação, tratamento e aproveitamento de resíduos sólidos, climatização por resfriamento evaporativo, cobertura verde, aquecimento de água através de placas solares, eficiência energética e captação de energia do sol através de placas fotovoltaicas.

Outros artigos.

 

A construção civil e as áreas de preservação permanente (APP).

 

O que são os jardins verticais (paredes verdes)?

 

A revolução da energia solar no Japão.